terça-feira, 15 de maio de 2018

2 VAGAS NA ACLP




 







A Academia Cearense da Língua Portuguesa dá a público o seguinte Edital:
EDITAL 02/2018
ABERTURA DE INSCRIÇÕES DE CANDIDATOS PARA PREENCHIMENTO DE DUAS VAGAS NA ACLP

ACADEMIA CEARENSE DA LÍNGUA PORTUGUESA (ACLP), representada pelo presidente Sebastião Teoberto Mourão Landim e atendendo ao disposto em seu Estatuto, abre inscrições para preenchimento das cadeiras 04 e 21, conforme regulamentação a seguir: 1) – Para ser eleito associado efetivo, deverá o candidato a) ser residente e domiciliado no Estado do Ceará; b) ter boa conduta; c) concordar com o Estatuto e com os princípios nele definidos, mediante declaração de que o leu no Site da Academia Cearense da Língua Portuguesa: www.aclp.com.br; d) haver publicado trabalho de natureza gramatical, filológica ou linguística sobre a Língua Portuguesa ou apresentar produção científica e literária que prime não só pelo ponto de vista da expressão linguística portuguesa, mas também pelo valor científico e criatividade literária, de méritos a serem arbitrados e mensurados por comissão mista instituída pela Academia para esse fim. 2) – A proposta para a admissão de associado será apresentada por 3 (três) associados efetivos e entregue no ato da inscrição. 3) – À proposta serão anexados os trabalhos do candidato e seu curriculum vitae. 4) – A proposta terá entrada na Secretaria da ACLP em Fortaleza, no Palácio da Luz, nº 1, Centro, até 16 de junho de 2018, das 9 às 16 horas. 5) – O candidato proposto apresentará o comprovante bancário de pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais), no Banco do Brasil, agência 3296-4, poupança, com variação 51, conta 300.000-1, em nome da confreira Giselda de Medeiros Albuquerque, podendo o pagamento ser feito, também, no ato da inscrição. 6) – Deverá o postulante preencher uma ficha, no ato da inscrição, e assinar declaração de que se compromete a frequentar anualmente no mínimo 50% (cinquenta por cento) das reuniões ordinárias mensais e solenes, salvo em caso de justificativas por razões de saúde, aprovadas em ata, e a manter as mensalidades em dia, nunca ficando inadimplente por mais de seis mensalidades, sob pena de perda da condição de acadêmico da ACLP, conforme normas estatutárias.
Fortaleza, 16 de maio de 2018.
                            Sebastião Teoberto Mourão Landim
                                      Presidente da ACLP

Acabamento final?


acabamento final. 

Acabamento significa tratamento final, feição final, estágio final, portanto todo acabamento é no final, por isso evite usar a expressão acabamento final. Evite essa tautologia (V.), redundância, usando apenas uma ideia. Ex.:

1) Ele fez um acabamento de qualidade.

REFLEXÃO SOBRE PRODUÇÃO DE TEXTO

Aplicação e correção da produção escrita: um ato repressivo


O temor do estudante pelo ato de redigir começa desde o momento em que o professor informa o tema para ser redigido, até o instante em que ele recebe a nota, quando atribuída, e se depara com os traços vermelhos na correção de seu texto.
O professor indica um tema para o aluno redigir em circunstância não muito propícia ao ato de redigir: em certas vezes quando não está disposto para uma aula expositiva; em outras, quando se acha abalado física ou mentalmente, sem clima para uma aula dita normal, ou seja, sem clima para seu tipo de aula.
Ele lança mão de um tema qualquer que lhe venha na cabeça e pede para que os alunos façam uma redação; clima para redigir não há, nem tampouco é preparado, e o tema muitas vezes quase nada diz da realidade do aluno. Assim, aplicar uma produção escrita tem sido mais em função de algum interesse do professor do que em função da competência e do desempenho linguístico do aluno.
Como a redação solicitada não foi planejada, não foram traçados objetivos a serem alcançados, o desastre do ensino da produção escrita se entende ao processo de correção e avaliação.
Do processo de correção fazem parte os traços vermelhos abaixo das palavras ou frases julgadas erradas, sem um comentário escrito ou oral que justifique tal ato. O traço simboliza para o aluno um erro, não importa qual. Para ele, o que interessa é que está errado e tem que ser assinalado. Qual o erro e como consertar nem sempre é dito, ainda que se trate de uma variação linguística, de um ato individual.
O que poderia, então, servir de ponto de partida para o crescimento cognitivo do aluno serve de elemento repressivo, inibindo o poder de evolução do conhecimento do código linguístico, o uso do pensamento e, consequentemente, a fluência da expressão oral.
O outro aspecto inibidor da fluência verbal do aluno é a exigência de uma certa quantidade de linhas. Ora, além de ter que expressar seu pensamento acerca de um tema que não lhe provoca interesse, de não lhe ser dada a oportunidade de ler e debater sobre o assunto, nem mesmo de escolher sobre o que escrever, além disso tudo, ainda ter que escrever quinze, vinte ou trinta linhas, é, de fato, esperar que não escreva como deveria.
O cúmulo da exigência sem fundamentação pelo professor atinge até a estrutura global da redação, mais especificamente a construção dos parágrafos. É sabido que há professor que ousa quantificá-los: o primeiro parágrafo para a introdução, o segundo para o desenvolvimento e o terceiro para a conclusão, como se a paragrafação fosse determinada por decreto quantificador do professor e não pela argumentação, coerência e coesão de cada ideia expressa na produção escrita do redator, nem mesmo pelas suas condições de produção e intuições linguísticas.
Por outro lado, as regras do jogo da correção não são conhecidas dos alunos, nem mesmo são debatidas por eles, tornando-se mais um jogo de interesse pessoal do professor e, muitas vezes, mais uma arma secreta para o processo de avaliação do aluno. Até parece que “jogar as cartas na mesa“ abertamente poderá causar uma derrota para o mestre, “esconder o jogo“ parece ser a chave da vitória do professor no processo ensino- -aprendizagem.
Assim, a nota como resultado da avaliação também representa uma incógnita, aumentando a tensão do avaliado, o qual mais uma vez fica à mercê do avaliador. Como consequência, surge a subserviência, prejudicando o clima para pensamento e para a expressão escrita.

Seguidores deste blog